sexta-feira, 28 de junho de 2013

Santana - Paz à sua alma!



Faleceu Agostinho Brazão Teixeira da Silva do sítio do Pico freguesia de Santana. Funeral no Domingo 30 de Junho com missa de corpo presente às 14h na igreja paroquial de Santana. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN; AM; GP.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

PAPA FRANCISCO - "Na Igreja, ninguém é inútil, ninguém é secundário ou anónimo: todos formamos e construímos a Igreja" - AUDIÊNCIA GERAL 26.06.13

 
Queridos irmãos e irmãs,
Uma das imagens que ilustra o mistério da Igreja é a de Templo de Deus. No Antigo Testamento, o Templo construído por Salomão era o lugar por excelência do encontro com Deus, pois ali se guardava a Arca da Aliança, sinal da presença do Senhor no meio do seu povo. Porém este Templo era somente uma prefiguração da Igreja, que é a verdadeira casa de Deus, o Templo onde mora o Espírito Santo, que a guia e sustenta. A Igreja tem Cristo como pedra angular e cada batizado é como que uma pedra viva neste edifício espiritual. Isso significa que na Igreja, ninguém é inútil, ninguém é secundário ou anônimo: todos formamos e construímos a Igreja. Por isso se falta o tijolo da nossa vida cristã, falta qualquer coisa à beleza da Igreja.
Papa Francisco
Praça de São Pedro
Quarta-feira, 26 de Junho de 2013
 

Santana - Paz à sua alma!


Faleceu João Marques Caldeira de Ascensão Junior do sítio dos Lamaceiros freguesia de Santana. Funeral nesta quinta feira 27 de Junho com missa de corpo presente às 13.30h na igreja paroquial de Santana. Tem Confraria do Santíssimo Sacramento. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN; AM; GP.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Santana - Paz à sua alma!

 
Faleceu Ana da Conceiçao da Costa (Tia do Pe João Carlos da Costa Gomes) do sítio Pico António Fernandes freguesia de Santana. Funeral neste Sábado 22 de Junho com missa de corpo presente às 14.30h na igreja paroquial de Santana. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN; AM; GP.

Por que razão os jovens já não vão à missa | Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

Capa
Na véspera da 9.ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura, que esta sexta-feira, 21 de junho, reflete em Fátima sobre o tema "Culturas Juvenis Emergentes" (com inscrições ainda abertas), continuamos a fazer a pré-publicação de excertos da obra "A primeira geração incrédula", de Armando Matteo (Paulinas).
 
Porque é que os jovens já não vão à missa?
Para responder a esta interrogação, depois de ter observado o perfil da «primeira geração incrédula» do Ocidente, parece instrutivo admirar outro quadro: o da Igreja atual, observando-a, como é óbvio, a partir daquela perspetiva particular permitida pelo facto de vivermos em Itália.
A referência imediata é a paróquia, que constitui o lugar eclesial mais acessível. Como se apresenta ao nosso olhar? Falando diretamente e sem floreados, a maior parte das paróquias são todas feitas de «terços e de missas pelos defuntos», terços e missas pedidas por pessoas que se preparam para se tornarem elas próprias intenção de uma missa por um defunto. Alguns párocos acrescentam a lectio divina, as laudes e as vésperas, a adoração eucarística, formas de oração que, no entanto, não são de acesso imediato. (...)
Os poucos jovens que ainda frequentam o território paroquial são, por sua vez, «sequestrados» para alguma forma de serviço em favor dos mais pequenos, sendo chamados a transmitir aquela fé em Jesus pela qual eles próprios ainda não se decidiram. Também aqui o efeito de código geral é muito equívoco: tal prática gera, na realidade, a ideia de que «ir à Igreja» se identifica de imediato com «fazer coisas da Igreja», ou seja, que o seguimento coincide com a diaconia – o que não pode deixar de parecer bastante pesado à primeira geração incrédula do Ocidente. E, se uma pessoa não tem vontade de fazer as «coisas da Igreja», por que razão deveria continuar a frequentá-la? (...)

quinta-feira, 20 de junho de 2013

2013-06-20 L’Osservatore Romano - «Intelectuais sem talento, eticistas sem bondade, portadores de belezas de museu»: são estas as categorias de «hipócritas que Jesus tanto reprova». Indicou-as o Papa Francisco na missa da manhã de quarta-feira, 19 de Junho, na capela da Domus Sanctae Marthae, falando sobre a hipocrisia que existe também na Igreja e no mal que ela causa...



«Intelectuais sem talento, eticistas sem bondade, portadores de belezas de museu»: são estas as categorias de «hipócritas que Jesus tanto reprova». Indicou-as o Papa Francisco na missa da manhã de quarta-feira, 19 de Junho, na capela da Domus Sanctae Marthae, falando sobre a hipocrisia que existe também na Igreja e no mal que ela causa.
Na homilia o Pontífice recordou que «o Senhor fala várias vezes no evangelho sobre a hipocrisia» e «contra os hipócritas», enumerando os episódios mais significativos: quando os fariseus querem pôr Jesus à prova, perguntando se era lícito pagar os impostos a César; quando os saduceus lhe submetem o caso da mulher viúva. Destes episódios sobressai para o Papa uma categoria específica de hipócritas; os que «iam pela estrada da casuística» e desta forma «queriam fazer cair Jesus numa armadilha».
Trata-.se, disse actualizando o discurso, «de cristãos intelectuais sem talento». Não sabem o que é a bondade. São eticistas: deve-se fazer isto e isto e isto... Enchem de preceitos mas «sem bondade». Enfeitam-se com «vestes, muitos objectos para fingir que são majestosos, perfeitos»; mas contudo «não têm o sentido da beleza. Conseguem só uma beleza de museu».
E no evangelho do dia (Mateus 6, 1-6. 16-18) «o Senhor fala de outra classe de hipócritas, os que atingem o sagrado». Este caso, admoestou, é o mais grave, porque toca o pecado contra o Espírito Santo. «O Senhor – disse – fala do jejum, da oração e da esmola: os três pilares da piedade cristã, da conversão interior que a Igreja propõe a todos nós na Quaresma. E neste caminho há os hipócritas, que se pavoneiam por fazer jejum, por dar esmolas e rezar. E penso que quando a hipocrisia chega a este ponto, na relação com Deus, estamos bastante próximos do pecado contra o Espírito Santo. Não conhecem a beleza, nem amor, nem verdade; são pequenos, vis».
Eis por que a advertência do Papa Francisco sobre «a hipocrisia na Igreja». «Quanto mal nos faz a todos!», exclamou. Também porque «todos nós temos a possibilidade de nos tornarmos hipócritas». Por isso o Pontífice convidou a pensar em Jesus, «que nos diz para rezar no escondimento, para nos perfumarmos a cabeça no dia do jejum e de não tocar a tromba quando fazemos uma obra boa». Devemos rezar todos os dias, cientes de que somos pecadores».

Teólogo argentino:'ecumenismo, diálogo inter-religioso e respeito às diferentes identidades, serão aspectos centrais no Pontificado de Francisco'


Cidade do Vaticano (RV) – O Bispo argentino Dom Sanchez Sorondo, Chanceler da Pontifícia Academia da Ciência argentina, acadêmico, filósofo e teólogo, fez uma análise dos primeiros meses do pontificado do Papa Francisco, “um homem excepcional e extraordinário, de uma fé profunda e capaz de dialogar com todos”.
Falando ao Vatican Insider, Dom Sorondo afirmou que Francisco traz uma nova esperança “e a sua presença dará um novo impulso à Igreja, uma experiência de renovação como aconteceu durante o Concílio Vaticano II”. A escolha do nome Francisco foi evidenciada pelo teólogo argentino, pois simboliza “sobriedade, pobreza e transparência”, características franciscanas que “Bergoglio alia à organização mental e cultural típica dos jesuítas, baseada na inteligência, na preparação cultural e no discernimento espiritual”.
Dom Sorondo diz que Bergoglio é um homem claramente evangélico, “e o Evangelho é sempre revolucionário”. “Quando Papa Francisco fala de pobreza – observa ele – exprime um conceito que não é uma visão ideológica. Não tem nada a ver com o comunismo, mas ao contrário, propõe uma visão na qual liberdade e justiça, à luz do Evangelho, convivem de forma harmônica. A ideia de justiça social cristã – continua – que afirma como as riquezas, dons de Deus, estão à disposição de todos os homens, nos leva a repensar o nosso modo de compreender a vida, a sermos menos egoísta e individualistas”.
“Os bens da terra – afirma o prelado argentino - devem ser colocados à disposição de todos os homens, não somente de um grupo, uma nação ou de uma maioria. A visão bergogliana está ligada à missionaridade inaciana que é encontrada na experiência jesuíta da América do Sul: grandes homens, que eram não somente pregadores, mas também procuravam concretizar a Palavra nas estruturas sociais”.
Dom Sorondo observou que a perspectiva dos papas europeus sempre esteve ligada à própria dimensão territorial próxima, e como o cristianismo desenvolveu-se ao longo dos séculos no continente europeu, criou-se esta relação imprescindível entre catolicismo e mundo ocidental. “Isto levou muitos pontífices a pensar que a partir da conversão do Velho Continente a nova evangelização deveria se estender a todo o planeta”, “mas para quem vem do fim do mundo, como Papa Bergoglio, mesmo não negando esta dimensão, possui uma perspectiva pluripolar do cristianismo. A preocupação do Papa Francisco – afirma ele - não é somente a reconversão da Europa, mas a necessidade de levar o Evangelho de Jesus às áreas do mundo onde os cristãos são minoria e onde os pressupostos culturais são muito diferentes do primeiro mundo”.
O prelado argentino recordou então a importância da Ásia que está tornando-se o centro da economia mundial e onde existem milhares de pessoas que se identificam com outras religiões. “Por isto, um caminho ecumênico e inter-religioso profundo, concreto e de respeito pelas diferentes identidades será um dos aspectos centrais na ação espiritual do Papa Francisco”.
Ao concluir, Dom Sorondo afirmou que na Jornada Mundial da Juventude no Brasil, Papa Bergoglio “dirá coisas importantes, pois tem a capacidade de nos surpreender todos os dias. É inútil fazer qualquer previsão. Devemos confiar nele com esperança. Expressará pensamentos quer seguramente não estão nos nosso discursos habituais”. (JE)

quarta-feira, 19 de junho de 2013

PAPA FRANCISCO - AUDIÊNCIA GERAL 19.06.13

 
A Igreja é o Corpo de Cristo, que é a sua cabeça. Como o corpo de uma pessoa não sobrevive separado da cabeça, assim nós temos de permanecer unidos a Cristo, permitindo-Lhe que actue em nós, que a sua Palavra nos guie e a sua presença eucarística nos alimente e vivifique. A imagem da Igreja como Corpo de Cristo ajuda-nos a ver outro aspecto: há nela uma grande variedade de tarefas e funções, mas todas estão interligadas e concorrem para formar um único corpo vivo, profundamente unido a Cristo. Todos devemos fixar isto: fazer parte da Igreja significa estar unido a Cristo e receber d’Ele a vida divina que nos faz viver como cristãos, significa permanecer unido com o Papa e os Bispos que são instrumentos de unidade e comunhão, e significa ainda aprender a superar individualismos e divisões, a entender-nos melhor, a harmonizar as diferenças e riquezas de cada um. Para o corpo sobreviver, os membros devem estar unidos! A unidade é superior aos conflitos.
Papa Francisco
Praça de São Pedro
Quarta-feira, 19 de Junho de 2013

 

Papa Francisco aprova uma pequena mudança na missa: a introdução de palavras onde São José é referido


 
CONGREGAÇÃO PARA O CULTO DIVINO  E A DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS

nas Orações Eucarísticas II, III e IV do Missal Romano


DECRETO


com o qual se acrescenta o nome de São José

 

Pelo seu lugar singular na economia da salvação como pai de Jesus, São José de Nazaré, colocado à frente da Família do Senhor, contribuiu generosamente à missão recebida na graça e, aderindo plenamente ao início dos mistérios da salvação humana, tornou-se modelo exemplar de generosa humildade, que os cristãos têm em grande estima, testemunhando aquela virtude comum, humana e simples, sempre necessária para que os homens sejam bons e fiéis seguidores de Cristo. Deste modo, este Justo, que amorosamente cuidou da Mãe de Deus e se dedicou com alegre empenho na educação de Jesus Cristo, tornou-se guarda dos preciosos tesouros de Deus Pai e foi incansavelmente venerado através dos séculos pelo povo de Deus como protector do corpo místico que é a Igreja.

 
Na Igreja Católica os fiéis, de modo ininterrupto, manifestarem sempre uma especial devoção a São José honrando solenemente a memória do castíssimo Esposo da Mãe de Deus como Patrono celeste de toda a Igreja; de tal modo que o Beato João XXIII, durante o Concílio Ecuménico Vaticano II, decretou que no antiquíssimo Cânone Romano fosse acrescentado o seu nome. O Sumo Pontífice Bento XVI acolheu e quis aprovar tal iniciativa manifestando-o várias vezes, e que agora o Sumo Pontífice Francisco confirmou, considerando a plena comunhão dos Santos que, tendo sido peregrinos connosco neste mundo, nos conduzem a Cristo e nos unem a Ele.
 

Considerando o exposto, esta Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, em virtude das faculdades concedidas pelo Sumo Pontífice Francisco, de bom grado decreta que o nome de São José, esposo da Bem-aventurada Virgem Maria, seja, a partir de agora, acrescentado na Oração Eucarística II, III e IV da terceira edição típica do Missal Romano. O mesmo deve ser colocado depois do nome da Bem-aventurada Virgem Maria como se segue: na Oração Eucarística II: "ut cum beata Dei Genetrice Virgine Maria, beato Ioseph, eius Sponso, beatis Apostolis", na Oração Eucarística III: "cum beatissima Virgine, Dei Genetrice, Maria, cum beato Ioseph, eius Sponso, cum beatis Apostolis"; na Oração Eucarística IV: "cum beata Virgine, Dei Genetrice, Maria, cum beato Ioseph, eius Sponso, cum Apostolis".
 
Para os textos redigidos em língua latina utilizam-se as fórmulas agora apresentadas como típicas. Esta Congregação ocupar-se-á em prover à tradução nas línguas ocidentais mais difundidas; para as outras línguas a tradução deverá ser preparada, segundo as normas do Direito, pelas respectivas Conferências Episcopais e confirmadas pela Sé Apostólica através deste Dicastério.
 
Nada obste em contrário.

Sede da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, 
1 de Maio de 2013, São José Operário.


Antonio Card. Cañizares Llovera Prefeito
 + Arthur Roche Arcebispo Secretário



------------------------------------------------------------------------------------------

FÓRMULA QUE CORRESPONDE AO NOME DE SÃO JOSÉ EM PORTUGUÊS
Lusitane
Na Oração Eucarística II:
"com a Virgem Maria, Mãe de Deus, com São José, seu esposo, os bem-aventurados Apóstolos...";
Na Oração Eucarística III:
"com a Virgem Santa Maria, Mãe de Deus, com São José, seu esposo, os bem-aventurados Apóstolos...";
Na Oração Eucarística IV:
"com a bem-aventurada, Virgem Maria, Mãe de Deus, com São José, seu esposo, os Apóstolos...".
 
 
 

D. Manuel Clemente assume presidência da Conferência Episcopal


Igreja/Portugal: D. Manuel Clemente assume presidência da Conferência Episcopal

Fátima, Santarém, 19 jun 2013 (Ecclesia) – D. Manuel Clemente, novo patriarca de Lisboa, foi hoje eleito em Fátima como presidente interino da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), até abril do próximo ano.
A decisão foi anunciada pelo organismo máximo do episcopado católico, em conferência de imprensa, e surge na sequência de uma Assembleia Plenária extraordinária convocada após a aceitação pelo Papa Francisco do pedido de resignação de D. José Policarpo, patriarca emérito e antigo presidente da CEP, a 18 de maio.
A assembleia “decidiu eleger um novo presidente que presida aos destinos da Conferência até às próximas eleições, previstas para os finais do mês de abril de 2014”, recaindo a escolha sobre D. Manuel Clemente, anuncia o organismo episcopal, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA.
O administrador apostólico da Diocese do Porto, que se prepara para tomar posse do Patriarcado de Lisboa, diz que vê a sua nova missão com "naturalidade" e deixa um apelo ao país, num tempo de crise: "A sociedade portuguesa bem precisa de mobilizar todos os seus recursos”.
Foi ainda eleito como vice-presidente o bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto; D. António Couto, bispo de Lamego, foi escolhido como vogal do Conselho Permanente da CEP, para completar o número de sete membros.
Os bispos aprovaram um “voto de congratulação” pelo serviço prestado à CEP por D. José Policarpo, que presidiu ao organismo por três ocasiões.
“Somos grandemente devedores à sua inteligência esclarecida e ao seu coração solícito, à sua capacidade de planear, de intervir e de concretizar iniciativas e programas. Na conclusão da sua missão como patriarca de Lisboa e presidente da Conferência Episcopal, os bispos de Portugal louvam a Deus e agradecem de coração por todo o bem feito à Igreja em Portugal, na fidelidade a Cristo e ao serviço de todos”, refere o texto.
Os membros da CEP estiveram reunidos entre segunda-feira e hoje na Casa de Nossa Senhora das Dores, do Santuário de Fátima, para participar nas Jornadas Pastorais do Episcopado, que este ano tiveram por tema ‘A organização da sociedade à luz da doutrina social da Igreja’.
Entre os convidados estiveram Manuel Braga da Cruz, João Carlos Espada, Hugo Chelo, Rui Ramos, António Barreto, Mário Pinto, João Salgueiro e Acácio Catarino.
“As comunicações foram muito apreciadas e constituíram um forte estímulo para valorizarmos na nossa vida pastoral a riqueza da doutrina social da Igreja, apreciada mesmo por pessoas que estão para além das fronteiras eclesiais e de tanta utilidade prática sobretudo nestes tempos de crise”, refere o comunicado final da Assembleia Plenária.
D. Manuel Clemente destacou a importância de se reforçar a "presença laical na sociedade" num momento em que é necessário construir "um país onde caibam todos"."
“A consistência da Igreja é sobretudo a do Povo de Deus no seu conjunto”, acrescentou.
OC

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Homilia do Papa em Santa Marta na manhã de 17 de Junho de 2013: os cristãos devem ser mansos e generosos


Cidade do Vaticano (RV) – Como todas as manhãs, Papa Francisco celebrou Missa, na Capela da Casa Santa Marta, onde reside, da qual concelebraram o Cardeal Attilio Nicora, Presidente da Autoridade de Informação Financeira, - acompanhado de seus colaboradores, - e o Cardeal-arcebispo de Manila, Filipinas, Dom Luis Antonio Tagle; participou ainda, entre outros, um grupo de colaboradores do Museu Vaticano.

Ao centro da reflexão do Santo Padre estiveram as palavras de Jesus dirigidas aos seus discípulos: “Se alguém bater na sua face, ofereça-lhe também a outra”. Para o cristão, de fato, Jesus é tudo: daqui deriva a sua magnanimidade.
Na lógica normal da vida, disse o Papa, as pessoas lutam para se defender. De fato, se alguém nos der uma bofetada, a nossa reação imediata é dar-lhe duas. O rosto representa a nossa dignidade. A justiça de Jesus é superior àquela dos escribas: “Dente por dente, olho por olho”. Eis, pois, o segredo da magnanimidade cristã, que sempre é acompanhada pela mansidão. E o Papa prosseguiu:
“O cristão è uma pessoa que alarga o seu coração com a sua magnanimidade, porque Jesus Cristo é o seu tudo... Mas, seguir a Jesus não é fácil. Mas, também não é difícil, porque na estrada do amor o Senhor nos alarga seu coração”.
Papa Francisco concluiu sua reflexão exortando os presentes a pedirem ao Senhor, a fim de dilatar os nossos corações, tornando-nos cristãos mansos, humildes e generosos. (MT)
 

Ilha - Paz à sua alma!



Faleceu Teresa Gomes de Ascensão do sítio da Lombada do Meio freguesia da Ilha. Funeral nesta terça feira 18 de Junho com missa de corpo presente às 15.30h na igreja paroquial da Ilha. Tem Confrarias. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN; AM; GP.

sábado, 15 de junho de 2013

Horário de 17 a 23 de Junho de 2013 nas Paróquias de Santana e Ilha

 

Vaticano: Jornada mundial junta movimentos a favor da vida

Cidade do Vaticano, 15 jun 2013 (Ecclesia) – Começa hoje no Vaticano a Jornada mundial «Evangelho da Vida» que pretende colocar no centro do Ano da Fé a dignidade da pessoa humana em todo o seu percurso.
“Portugal comunga de um conjunto de preocupações que outros países da Europa partilham que é a ausência de uma cultura de vida e a aposta numa cultura de destruição e de morte”, explica à Agência ECCLSSIA a Presidente da Federação Portuguesa pela Vida, Isilda Pegado, a participar na Jornada.
A representante portuguesa dá conta de que “são milhões a lutar pela vida humana” e que mesmo sendo uma posição contra-corrente à cultura atual “sabemos que um dia a verdade virá à tona”.
“Sabemos que esta forma de governar as sociedades vai confrontar-se com a sua própria destruição porque não é possível continuarmos a ter uma sociedade que envelhece dia a dia, que tem cada vez mais problemas de governabilidade e falta de emprego. Temos a certeza que estamos no bom caminho”.
Isilda Pegado traduz um “ambiente de festa” no encontro no Vaticano que tem por tema «Acreditando, temos vida» e que conta com a presidência do Papa Francisco numa linha de continuidade na sua aposta pela defesa do ser humano.
Para o dia de hoje estão marcados acontecimentos litúrgicos e doutrinais, estando a noite reservada para uma atividade simbólica: uma das avenidas que leva ao Vaticano vai ser iluminada por velas dando um sinal “ao mundo, e em especial à Europa, de que é a luz que dá a vida”.
A par desta jornada Isilda Pegado vai participar num encontro denominado «Um de nós», iniciativa que nasceu no âmbito da União Europeia (UE) e visa recolher um milhão de assinaturas em toda a Europa para que os órgãos da UE tenham uma política de promoção da vida humana e não de destruição, “em especial através dos planos de financiamento que sabemos que tantas vezes são destinados a investigação de embriões e contra a natalidade”.
Neste encontro reservado para esta tarde Isilda Pegado falará por Portugal onde prevê dar conta das “dificuldades vividas no país” e ouvir outros 26 representantes que partilham as mesmas preocupações.
A presidente da Federação Portuguesa pela Vida explica o objetivo de “inverter o rumo que tem sido tomado nos últimos anos em que foram aprovadas seis leis de destruição da família e da vida e que importa hoje por fim” contrariando a forma de “governação do país, de olhar para a dignidade da vida humana, da família, para a própria estruturação da sociedade que merece melhor e mais felicidade”.
“Não se trata de outra coisa que não a busca da verdade, aplicada a meses ou a anos de vida e assim, desta forma, construir uma sociedade com menos custos sociais”.
LS

 

essejota.net | O ovo ou a galinha? Quem apareceu primeiro?



essejota.net | O ovo ou a galinha

Qual apareceu primeiro, qual gerou o outro, é uma questão científica ou deve ser respondida pela filosofia? O eterno enigma do ovo e da galinha não é apenas uma adivinha para crianças, tem sido objecto de estudo de graúdos sérios e conceituados. O que à partida parece uma questão insignificante parece ter resposta na teoria da evolução das espécies, pelo que pode ser, afinal de contas, uma questão relevante para compreendermos como chegámos até ao que somos hoje. Ainda assim, duvido que alguém sinta que a sua vida dependa directamente da solução desta questão.

Mas há soluções menos óbvias para dúvidas que não chegam a ser enigmas, soluções que são pessoais e têm que ver com escolhas, com discernimento, com aquilo que verdadeiramente queremos na vida. Porque (ditam as regras do jogo) escolher uma coisa implica dizer que não a todas as suas alternativas. Para nós, é uma pena não podermos viver com um pé no cais e outro no barco, é uma pena que as escolhas nos tirem tantas coisas que não queremos, mas nos apetecem tanto. Mas, se pensamos assim, pensamos mal: quando escolhemos bem (ou seja, o bem), torna-se claro que o “sim” que demos é muito maior do que todos os “nãos” que este implica.

Pouco importa quem veio primeiro, o ovo ou a galinha, cronologicamente. O segredo está em saber qual vem primeiro na nossa lista de prioridades.
Bernardo Lemos Caldas

Missa do Papa: "Não denegrir o outro, mas seguir a lei do amor"



Cidade do Vaticano (RV) – Como todas as manhãs, Papa Francisco celebrou Missa na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano. Participaram da celebração Eucarística, entre outros, representantes das Embaixadas e Consulados da Argentina na Itália e junto à FAO. O Papa recordou que não celebra Missa em espanhol desde o dia 26 de fevereiro, antes do Consistório.
Em sua homilia em espanhol, o Santo Padre agradeceu aos presentes pelo trabalho que fazem pela Pátria, fora do país. A seguir, meditou sobre a Liturgia do dia, onde Jesus se dirige aos seus discípulos, dizendo: “Que a justiça de vocês seja superior àquela dos fariseus”. Esta exortação vem depois das Bem-Aventuranças e da citação “Jesus não veio para abolir a Lei, mas para aperfeiçoá-la”.
Com efeito, disse o Santo Padre, a reforma proposta por Jesus é “uma proposta sem ruptura, mas uma reforma na continuidade”: um processo que vai da “semente ao fruto”. Quem “entra na vida cristã”, disse, tem exigências maiores que as dos outros, não maiores vantagens”.
Depois, o Papa exortou “a não denegrirmos e nem insultarmos o próximo, mas a trilharmos o caminho da fraternidade. A agressividade natural do homem, como aquela de Caim contra Abel, se repete na história da humanidade. Isso demonstra que somos pecadores e fracos. E concluiu:
“Gostaria de pedir ao Senhor que nos conceda a graça a todos de prestar mais atenção sobre as críticas que fazemos os outros. É uma pequena penitência que dá bons frutos. Peçamos ao Senhor a graça de adequar a nossa vida à lei da mansidão, do amor e da paz”!

11° Domingo do Tempo Comum - Ano C


quarta-feira, 12 de junho de 2013

Papa Francisco - Audiência Geral de Quarta-feira, 12 de Junho de 2013


Queridos irmãos e irmãs,
A Igreja é o “Povo de Deus”. Isso significa afirmar que Deus não é posse exclusiva de nenhum povo, mas é Ele que nos convida a pertencer ao seu povo, e esse convite é dirigido a todos sem distinção. A quem se sente longe de Deus e da Igreja, a quem está hesitante ou indiferente, a quem pensa que não pode mudar, é preciso dizer: o Senhor também lhe chama para ser do seu povo e o faz com grande respeito e amor. A pertença a este povo, cuja lei é o amor a Deus e ao próximo, se dá por meio do Batismo e da fé em Cristo, dom de Deus que deve ser alimentado e crescer ao longo da nossa vida. A missão do Povo de Deus é levar ao mundo a esperança e a salvação de Deus, fazendo que o Seu Reino se desenvolva até a sua perfeição, com o retorno glorioso de Cristo. Lembrem-se, a realidade, que às vezes parece sombria e dominada pelo mal, pode mudar, porque Deus é o mais forte!

Papa Francisco
Praça de São Pedro
Quarta-feira, 12 de Junho de 2013

 

O Papa Francisco pede o fim do trabalho infantil


quinta-feira, 6 de junho de 2013

Santana - Paz à sua alma!

 
Faleceu Ana Marques da Silva do sítio dos Lamaceiros freguesia de Santana. Funeral neste sábado 8 de Junho com missa de corpo presente às 15.30h na igreja paroquial de Santana. Irmã da Ordem Terceira de São Francisco. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN; AM; GP.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Santana - Paz à sua alma!

 
Faleceu Manuel Jesus de Andrade Dé do Caminho Chão freguesia de Santana. Funeral nesta quarta feira 5 de Junho com missa de corpo presente às 15h na igreja paroquial de Santana. Tem Confraria de Santa Ana. Rezemos pelo seu eterno descanso. PN; AM; GP.

Rezar cantando

Alguma música

O tempo em Santana